Petróleo perto de US$ 130: pesadelo para a inflação

Petróleo perto de US$ 130: pesadelo para a inflação

2022-03-07 • Atualizado

O mercado de petróleo está sob forte pressão graças à demanda em alta e à oferta em baixa. A OPEP+ não pode ou não quer cumprir suas próprias metas de produção, insistindo em limitar os aumentos a 400.000 barris por dia, mesmo com a alta dos preços. Além disso, os produtores nos EUA também não podem ou não querem aumentar a oferta de petróleo no país.

A inflação é o temor número um do mercado, e todo mundo tem motivos para se preocupar. A inflação nos EUA chegou a 7,5%; uma máxima de 40 anos. A inflação na zona do euro chegou a 5,8%; uma máxima histórica. A situação no Reino Unido é parecida: inflação a 5,5%; o maior patamar em 30 anos.

A guerra entre a Rússia e a Ucrânia só piora a situação. Se a oferta de petróleo e gás da Rússia for suspensa pelas sanções ou como resposta do Kremlin a essas sanções, os preços podem disparar mesmo antes de vermos o impacto de fato de uma eventual retirada do petróleo russo do mercado.

Petróleo bruto dispara a US$ 130 o barril

Ainda que as sanções impostas pelo Ocidente até agora não tenham atingido as exportações russas de recursos energéticos, as mercadorias do país se tornaram desinteressantes para a maioria dos traders, seguradoras e donas de petroleiros após o começo da incursão russa na Ucrânia. Algumas refinarias e alguns traders estão preocupados com o funcionamento das transações após a retirada de bancos russos do sistema SWIFT. Outros players estão se retirando do mercado para evitar uma perda de reputação.

Até onde vai a alta do petróleo?

O JPMorgan acredita que 66% do petróleo russo terão dificuldade para achar um comprador. O banco projeta o barril a US$ 185 até o fim do ano se esse petróleo seguir sem compradores. Se o setor energético russo for alvo de sanções ou se a Alemanha suspender de vez o gasoduto Nord Stream 2, e se os EUA não chegarem a um acordo com o Irã na questão nuclear, a oferta global de petróleo bruto pode encolher em todos os casos. Juntos, esses fatores vão levantar os preços mais ainda.

Como fica a inflação com o petróleo acima de US$ 125?

Se os preços da energia subirem, a inflação vai ser a primeira a sentir o efeito. Isso terá consequências fatais para a Rússia, mas também vai aumentar o custo de vida no Ocidente.

Mesmo antes de os preços do petróleo passarem dos US$ 110 o barril, os analistas já estavam rebaixando as previsões do crescimento e aumentando as estimativas da inflação. Se o setor energético russo for incluído na lista de alvos das sanções, petróleo e gás ficarão mais caros por mais tempo. A pressão sobre os consumidores vai aumentar se o petróleo chegar a US$ 150 e permanecer acima de US$ 100 até a primeira parte de 2023. A economia e as empresas serão duramente atingidas, pois a alta dos custos de energia e a queda da demanda vão prejudicar as margens de lucro. Isso vai aumentar o risco de a desaceleração econômica virar recessão com alta da inflação em escala mundial.

XBRUSDWeekly.png

Para onde vai a inflação nos EUA?

Ainda não se sabe como vai ser a reação da economia americana ao choque que fez o petróleo passar de US$ 125 o barril.

A economia dos EUA aguenta seis meses de petróleo a US$ 100, em média, mas isso pode agravar o problema da inflação. Se o petróleo se firmar em torno de US$ 125, é quase certo que isso vai interromper o crescimento e aumentar o desemprego, podendo gerar uma recessão. Outro ponto a observar é a resposta dos bancos centrais à alta do petróleo. Jerome Powell, diretor do Federal Reserve, disse que a situação na Ucrânia não vai interromper os planos do banco central americano de dar início à alta dos juros: resta esclarecer a dimensão e o ritmo dos aumentos na taxa.

O impacto econômico da invasão na Ucrânia virá em forma de desaceleração da economia americana e alta da inflação. Já a economia europeia pode acabar entrando em uma recessão. A Rússia, por sua vez, vai mergulhar em uma recessão de dois dígitos.

UsDollarDaily.png

O índice do dólar americano chegou a 99,00. Por enquanto, o dólar está surfando na demanda por ativos de refúgio, com suporte a 97,50.

ENTRAR

Semelhante

Acabou o rally do petróleo?
Acabou o rally do petróleo?

Na última quinta-feira, dia 2 de junho, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP+) concordou em aplicar um aumento de 648.000 barris por dia (bpd) à produção em julho e agosto.

Últimas notícias

Deposite com sistemas de pagamento locais

Jogue como um craque

Aviso de coleta de dados

A FBS mantém registros de seus dados para operar este site. Ao pressionar o botão “Aceitar“, você concorda com nossa Política de Privacidade.

Ligue de volta

Um gerente ligará para você em breve.

Alterar número

Seu pedido foi aceito

Um gerente ligará para você em breve.

O próximo pedido de chamada para este número de telefone
estará disponível em

Se você tiver um problema urgente, por favor, fale conosco pelo
Chat ao vivo

Erro interno. Por favor, tente novamente mais tarde

Não perca seu tempo. Acompanhe o impacto das NFP no dólar dos EUA e ganhe dinheiro!

Livro de Forex para Iniciantes

O livro de câmbio para iniciantes vai guiar você pelo mundo do trading.

Livro de Forex para Iniciantes

As coisas mais importantes para começar a negociar
Insira seu e-mail e nós vamos lhe mandar um guia Forex gratuito

Obrigado!

Nós enviamos um link especial para o seu e-mail.
Clique nesse link para confirmar seu endereço e receber um guia Forex para iniciantes gratuito.

Você está usando uma versão antiga de seu navegador.

Atualize para a versão mais recente ou experimente outro navegador para uma experiência comercial mais segura, confortável e produtiva.

Safari Chrome Firefox Opera