•  >
  •  >
  • Crise nos países da América Latina. O que aconteceu na Argentina em 2019?
07.10.2019

Crise nos países da América Latina. O que aconteceu na Argentina em 2019?

1.gif

As moedas da América Latina em geral — e o peso argentino em particular — têm apresentado certa instabilidade recentemente. Traders atentos ao mercado puderam perceber mudanças bem rápidas. No momento, o peso está em queda brusca com fortes altos e baixos, rápida demais até para uma moeda de alta volatilidade. O que poderia explicar este comportamento “montanha-russa”?

Características das economias latino-americanas: contexto

De acordo com a maioria dos economistas e especialistas, o principal motivo da inflação e da desvalorização do dinheiro vem da política. Crise econômica do Zimbábue nos anos 90, crise na Venezuela dos anos 2010, até a quebra de Wall Street em 1929 — todas elas têm consideráveis origens na política.

Os países da América Latina são frequentemente afetados pela inflação. Mas por quê? O economista André A. Hofman indicou vários motivos. Ele acredita que o desenvolvimento histórico desses países é um dos fatores centrais para o cenário atual. Portanto, é possível elencar dois motivos importantes para o atual cenário latino-americano:

  1. A economia da maior parte dos países latino-americanos se baseia na exportação de produtos primários, geralmente recursos naturais ou produtos agrícolas como café, milho, prata, etc.
  2. Ao longo da história, os países latino-americanos não apresentaram estratégias econômicas rigorosas e bem definidas, operando principalmente pela força das circunstâncias, que geralmente incluíam dependência de investimentos estrangeiros e influência política.

Os produtos primários exportados pelos países da América Latina são alimentos, café, cereais, carne animal, combustíveis fósseis, etc. A maior porcentagem de exportações ainda vem da agricultura: mais de 52% na Argentina e cerca de 39% na Colômbia (com base nas informações da OEC). Portanto, estragos severos na economia podem acontecer com a mera ocorrência de secas, enchentes, tempestades… Ou seja, uma safra ruim consegue atingir em cheio a economia.

Embora independentes e não mais colônias, os países latino-americanos têm suas economias fortemente ligadas a investimentos estrangeiros. No México, por exemplo, os EUA são a principal origem de investimentos estrangeiros diretos: em 2018, os norte-americanos contribuíram com US$12,3 bilhões — ou 39% — de tudo que entrou no país. Quedas no volume de investimentos (ou até mesmo a possibilidade de tais acontecimentos) podem afetar seriamente a estabilidade da moeda nacional.

2.jpg

Agosto e setembro de 2019 na Argentina: o que houve?

No dia 12 de agosto de 2019, o peso argentino caiu 30% em algumas horas, atingindo a mínima de 65 pesos para 1 dólar. O índice MERVAL — o mais importante da Bolsa de Valores de Buenos Aires — caiu 31%. Os títulos do governo foram pelo mesmo caminho. A moeda nacional, as ações e os títulos, todos caíram juntos pela primeira vez em 19 anos.

A explicação mais plausível que logo vem à mente é a política. Porém, isso foi resultado de uma série de acontecimentos altamente desagradáveis. Fosse apenas um ou dois destes, o peso poderia ter sobrevivido. A soma dos fatores, no entanto, foi tão grande que causou uma considerável crise econômica. 

Vamos olhar os possíveis motivos. Primeiro (como é de se esperar), a política. No dia 11 de agosto, aconteceram as primárias que antecedem as eleições presidenciais marcadas para outubro de 2019. O resultado foi inesperado: o atual presidente, Mauricio Macri, recebeu somente 32% dos votos, enquanto Alberto Fernández, apoiado pela ex-presidente Cristina Fernández de Kirchner, recebeu 47%.

Embora as primárias não afetem muito o resultado das eleições conforme o sistema eleitoral argentino, este cenário mostrou o quanto que Macri ficou para trás. Isso foi um sinal de alerta muito sério para os investidores, especialmente aqueles que lembram o governo kirchnerista e o default de 2014 causado pelas políticas de Cristina Kirchner. 

Logo, as primárias deixaram claro para os investidores que o futuro do país é incerto. Sem certeza, sem investimentos.

3.jpg

Por outro lado, os argentinos ainda se encontram em crise alimentar. 2018 foi o ano da pior seca em meio século, e isso fez um enorme estrago em um país onde a maioria dos bens exportados é formada por alimentos e outros produtos agrícolas. Mesmo com a previsão de uma colheita muito melhor para este ano, houve uma seca que já reduziu as exportações agrícolas da Argentina, aumentando o atual déficit em suas contas. Temos, então, outro fator: menos colheita, menos exportações.

4.jpg

Outro motivo pelo qual o peso não se estabilizou de forma alguma foram as declarações de Macri após a derrota nas primárias. Ele anunciou um plano para renegociar as dívidas nas quais o país se afundou, incluindo aquelas com o FMI. Ele também tomou outras medidas sérias para conter a crescente crise financeira na Argentina, mas parece que não deu certo: o peso segue caindo há quase um trimestre. 

Já devendo US$56 bilhões ao FMI, a Argentina de Macri pediu mais US$5,4 bilhões para pagar o investimento. E apesar do FMI ter concordado em “continuar ao lado da Argentina em tempos desafiadores”, essa vitória foi duvidosa. Macri fez aquilo que estava desesperadamente tentando evitar: pedir mais ajuda ao FMI. Pensava-se que um empresário como ele seria capaz de tirar o país do default, mas, tecnicamente, ele o trouxe de volta. Os cidadãos argentinos não lhe deram muito apoio nas primárias, tendo em vista a esperança de que ele passaria por cima da crise. Portanto, o terceiro fator seriam as expectativas frustradas em torno de figuras políticas.

5.png

O que esperar agora?

A presidente anterior da Argentina, Cristina Fernández de Kirchner, deixou o país em uma grave crise e no default de 2014. Alçada à presidência após seu marido, Néstor Kirchner, a inflação atingiu seu maior pico durante os governos dos dois, e a corrupção ficou insuportável até para padrões latino-americanos. Não é surpresa que os investidores não gostaram de vê-la de volta.

As reformas econômicas do empresário Mauricio Macri atraíram investidores além do FMI, mas infelizmente não conquistaram os cidadãos. Essas mudanças não aumentaram nem a qualidade de vida dos argentinos, nem o ritmo do desenvolvimento econômico. Por outro lado, elas levaram ao cenário no qual a mesma Cristina Kirchner que deixou o país no vermelho agora consegue mais apoio como vice de Alberto Fernández do que Macri.

A maioria dos economistas prevê que o peso argentino continuará a cair, e essas expectativas não são nada otimistas. É provável que o candidato da oposição não consiga o apoio necessário dos investidores, o que significaria que as dívidas do país seguiriam em condições insatisfatórias.

Como os traders podem aproveitar isso?

Peso argentino, real brasileiro, lira turca: essas moedas sofrem grandes altas e quedas devido à alta volatilidade. Esses altos e baixos causam fortes mudanças no mercado, e os traders podem ter lucros consideráveis com isso. Se você ficar de olho na situação política e utilizar a análise fundamental com cautela, poderá ganhar com o vaivém das moedas.

Negocie com a FBS

  • 127

Ligue de volta

Um gerente ligará para você em breve.

Alterar número

Seu pedido foi aceito

Um gerente ligará para você em breve.

Erro interno. Por favor, tente novamente mais tarde

Livro de Forex para Iniciantes

O livro de câmbio para iniciantes vai guiar você pelo mundo do trading.

Livro de Forex para Iniciantes

As coisas mais importantes para começar a negociar
Insira seu e-mail e nós vamos lhe mandar um guia Forex gratuito

Obrigado!

Nós enviamos um link especial para o seu e-mail.
Clique nesse link para confirmar seu endereço e receber um guia Forex para iniciantes gratuito.

Você está usando uma versão antiga de seu navegador.

Atualize para a versão mais recente ou experimente outro navegador para uma experiência comercial mais segura, confortável e produtiva.

Safari Chrome Firefox Opera